ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 12/09/2019

Comando Nacional dos Bancários cobra políticas preventivas de saúde para a categoria



Em reunião de negociações com o Comando Nacional dos Bancários, realizada na quarta-feira (11), a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) decidiu apresentar aos bancos os elementos sobre uma política de prevenção dos problemas de saúde do trabalho nos bancos, propostos pela representação da categoria.

O documento apresenta a constatação da realidade de saúde dos bancários, destaca a necessidade de reconhecimento dos riscos, aponta a possível causa dos problemas e destaca a necessidade da participação dos trabalhadores para a construção da política de prevenção. O texto afirma, ainda, que o número de afastamentos devido a doenças psíquicas não para de aumentar, e se mantém aqueles ocasionados devido às lesões por esforços repetitivos e aos distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (LER/Dort).

“As pessoas trabalham à exaustão, com metas inatingíveis e assédio moral. O medo do desemprego e as reestruturações deixam a categoria apreensiva. Soma-se a isso o trabalho home office e a falta de equipamentos ergonômicos adequados e você tem a causa de muitos dos problemas de saúde da categoria”, disse a presidenta da presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Juvandia Moreira, que é uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários, ressaltando a necessidade de se garantir ambiente favorável para que os trabalhadores busquem tratamento sem que haja perdas financeiras e de função.

“O mais importante é evitar que as pessoas adoeçam. Isso é bom para todos. Para o trabalhador, para a sociedade e para os bancos. Colocamos a proposta no papel e os bancos admitiram a necessidade e a importância da reflexão sobre o tema para que se alcance uma solução”, afirmou a presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Ivone Silva, também coordenadora do Comando Nacional dos Bancários.

Para o secretário de Saúde da Contraf-CUT, Mauro Salles, a situação do adoecimento da categoria é grave. “Não é possível falar sobre prevenção sem reconhecer os riscos gerais e os específicos. Somente com isso é possível tomar medidas para amenizar essa situação”, completou.

Mauro explicou que a obrigação de implantar sistemas de gestão de saúde e segurança no trabalho pelas organizações é prevista na legislação brasileira e da maioria dos países e deve incluir, no mínimo, os elementos exigidos em Lei.

“Existe consenso internacional quanto aos benefícios trazidos pela implantação de sistemas de gestão de saúde e segurança no trabalho pelas organizações”, disse Mauro explicando ainda que o processo de gerenciamento de riscos deve estar integrado aos planos estratégicos e processos gerenciais da organização, levando sempre em conta, com prioridade absoluta, o bem-estar dos trabalhadores.

“É importante ressaltar que a participação ativa e contínua dos trabalhadores é fundamental na elaboração de políticas em saúde do trabalhador bem como para monitorar e avaliar a abrangência e qualidade da política elaborada”, concluiu.

A Fenaban admitiu a gravidade do problema, mas solicitou prazo para que os bancos internalizem as reivindicações colocadas pelos representantes dos trabalhadores, debatam sobre elas e consigam, juntamente com os trabalhadores, desenvolver políticas que permitam a prevenção dos problemas de saúde da categoria.

Questões pendentes

O Comando Nacional dos Bancários também cobrou respostas da Fenaban sobre questões que ficaram pendentes na última reunião da mesa temática de saúde do trabalhador, realizada no dia 11 de julho.

Sobre a cláusula 29, que trata da complementação dos auxílios doença previdenciário e acindentário, os bancos concordam em fazer a complementação, mas pediram para que os trabalhadores levantem casos específicos da não complementação para que a Fenaban possa verificar se são casos isolados, ou se são fruto de mudanças dos procedimentos do INSS. A intenção é não prejudicar um número maior de trabalhadores do que os que serão beneficiados.

Com relação aos problemas de não concessão de cestas alimentação a bancários afastados para tratamento de saúde, previsto no parágrafo terceiro da cláusula 15, a Fenaban vai chamar uma reunião geral dos bancos para avaliar se o problema está no descumprimento da cláusula pelos bancos, ou se trata-se de nova demanda da categoria. A federação dos bancos ficou de dar uma resposta após esta reunião, que deve acontecer ainda no mês de setembro.

“Esta é uma questão que já vem sendo debatida há anos. Não se trata de nova demanda”, rebateu Juvandia Moreira.

“A lógica, desde quando negociamos a convenção, é não deixar que as pessoas que afastadas por problemas de saúde fiquem sem amparo. Ainda mais em uma conjuntura onde existem mais de 13 milhões de desempregados e que levou muitos bancários se tornaram arrimo de família”, disse a dirigente da Contraf-CUT e coordenadora do Comando. “Além disso, a convenção é muito clara. O benefício deve ser dado a partir do afastamento do trabalho. Mas, os bancos não estão concedendo a cesta alimentação para bancários que não estejam em benefício”, afirmou.



Fonte: Contraf-CUT, com edição de Seeb Catanduva
MAIS NOTÍCIAS
« voltar 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 avançar »
TOPO