ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 08/01/2019

Privatista é empossado na Caixa. Mobilização em defesa do banco público é fundamental!


(Foto:Marcelo Camargo/Agência Brasil)

 
Tomou posse nessa segunda-feira (7), junto com os novos presidentes do Banco do Brasil e do BNDES, o novo presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. Confirmando o que já havia afirmado na posse do presidente Jair Bolsonaro, em 1º de janeiro, Guimarães afirmou que irá fatiar o banco público, através de abertura de capital das operações de Cartões, Loterias, Asset e Seguros, para saldar “dívida” de R$ 40 bilhões com o governo federal em até quatro anos. "Todos nós aqui temos prazo para pagar; os bancos privados também têm. A determinação do meu chefe, o ministro da Economia [Paulo Guedes], é que esses R$ 40 bilhões serão pagos", declarou o novo presidente do banco público. 

Para o coordenador da CEE/Caixa, Dionísio Reis, as afirmações de Guimarães ignoram a contribuição da Caixa para o país e colocam em risco as funções sociais do banco público.
 
“Esses R$ 40 bilhões não podem servir de justificativa para o fatiamento e privatização de parte do banco. Não é dívida propriamente dita. São recursos investidos no desenvolvimento do país, já que a Caixa, assim como os demais bancos públicos, exerce funções que o sistema privado não está disposto a realizar. Guimarães simplesmente ignora que a Caixa não pode ser comparada com bancos privados. O aporte de recursos na Caixa cumpre tarefa de Estado e não deveria formar dívida. É diferente do banco privado, que se apropria da riqueza das pessoas e paga em dividendos aos rentistas. Na Caixa, o aporte foi um investimento no desenvolvimento, que comprovadamente gerou riqueza para o Estado e a sociedade", destaca.

"A Caixa, na sua imensa magnitude, com o número de clientes superior a população de muitas nações, como o próprio Guimarães reconhece, está presente onde os bancos privados não tem interesse em atuar e cumpre papel social fundamental. Por exemplo, a Lotex, que está fortemente ameaçada de privatização, injeta anualmente bilhões em recursos para a Saúde, Educação, Seguridade, Esporte, Infraestrutura, Cultura, Segurança”, acrescenta Dionísio.
  
De acordo com a Caixa, entre 2011 a 2016, as loterias arrecadaram R$ 60 bilhões, dos quais R$ 27 bilhões foram direcionados para o financiamento de projetos em áreas como cultura, esporte, bolsa de estudo e segurança pública.
 
Somente em 2016, as loterias operadas exclusivamente pela Caixa arrecadaram R$ 12,9 bilhões, dos quais R$ 4,8 bilhões foram transferidos para programas sociais. Desse total, 45,4% foram para a seguridade social, 19% para o Fies, 19,6 % para o esporte nacional, 8,1% para o Fundo Penitenciário Nacional, 7,5% para o Fundo Nacional de Cultura e 0,4% para o Fundo Nacional de Saúde.
 
“A privatização da Lotex representa uma perda gigantesca para os brasileiros. As loterias Caixa, de forma global, registraram no ano passado uma arrecadação próxima a R$ 14 bilhões. Desse montante, quase metade (48%) foi destinado aos programas sociais. Se a venda for efetivada, o montante deverá ser reduzido drasticamente, já que o leilão, nos moldes pretendidos pelo governo anterior, prevê repasse social de apenas 16,7%”, explica Dionísio.
 
“A Caixa financia 90% da habitação popular no país e o déficit de moradia é um problema de Estado, não da Caixa. O Itaú e Bradesco poderiam de bom grado atuar como a Caixa para resolver esse problema, tanto é que a linha Minha Casa Minha Vida está disponível para eles, e não o fazem. O retorno nessa operação é de longo prazo. A inadimplência é menor, mas o retorno de longo prazo. Isso onera a capitalização em curto prazo da Caixa, sua solvência. A Caixa é onerada por um serviço imprescindível que ela presta para o país. Os privados estão dispostos a isso? Óbvio que não. Portanto, não faz o menor sentido compará-los com a Caixa para justificar o fatiamento do banco”, reforça o coordenador da CEE/Caixa.

Crédito

Guimarães também afirmou na segunda-feira 7 que clientes de classe média vão pagar juros de mercado no financiamento habitacional da Caixa. "Quem é classe média tem que pagar mais. Ou vai buscar no Santander, no Bradesco, no Itaú. Na Caixa Econômica Federal, vai pagar juros maior que Minha Casa Minha Vida, certamente, e vai ser juros que vai ser de mercado. Caixa vai respeitar acima de tudo mercado. Lei da oferta e da demanda".
 
Questionado se os custos do financiamento à casa própria serão elevados, o novo presidente da Caixa respondeu que "depende".
 
Guimarães disse ainda que o banco vai vender carteiras de crédito imobiliário e que a Caixa "vai passar a ser uma originadora imobiliária, mais do que reter crédito no balanço".
 
“Mais uma vez, Guimarães ignorou o papel estratégico de um banco como a Caixa para o país. Em 2008, por exemplo, bancos públicos, com especial destaque para a Caixa, foram fundamentais para atravessarmos a crise internacional sem maiores problemas, barateando o crédito, o que forçou a queda de juros também no sistema privado, mantendo a economia aquecida. De foma parecida com o que ocorreu em 2012, quando os bancos públicos forçaram a queda dos juros reais praticados pelos privados por meio da concorrência. Agora, a proposta explicitada por Pedro Guimarães e pelo ministro Paulo Guedes é justamente o caminho inverso. Em vez de a Caixa atuar estrategicamente para a baixa dos juros no sistema financeiro como um todo, o banco público vai incorporar a lógica do mercado privado, com intenção de esvaziar a Caixa e enviar recursos cada vez maiores para os bancos privados”, avalia Dionísio.

Empregos e Direitos

De acordo com o diretor do Sindicato, as intenções privatistas e de aproximação da Caixa de uma lógica exclusivamente de mercado, com a paulatina implosão de sua função social, não prejudica somente a população e o desenvolvimento do país, mas também ameaça os direitos e empregos dos empregados do banco público.
 
“Grande parte do quadro da Caixa atua nas suas funções sociais e conquistas como a PLR Social estão relacionadas com essas funções. Defender a Caixa 100% pública é também defender os empregos, direitos e condições de trabalho dos empregados do banco público. Como esperávamos, teremos pela frente um período no qual será necessária muita mobilização e unidade para que privatistas não dilapidem a Caixa, um patrimônio do povo brasileiro”, afirma Dionísio.

Sindicato em defesa da Caixa e dos trabalhadores

O Sindicato dos Bancários de Catanduva e Região, diante das diversas ameaças de sucateamento e privatização da Caixa, tem intensificado as ações em defesa da instituição. Dirigentes sindicais tem percorrido as agências para dialogar com bancários sobre a importância do banco para o país e levado para as ruas a campanha em defesa de seu caráter público.

"A Caixa é um dos maiores patrimônios do povo brasileiro e o principal agente de políticas sociais do governo. Por isso, é fundamental que todos estejam atentos e mobilizados para defender o papel social que o banco exerce", acrescenta Roberto Carlos Vicentim, presidente do Sindicato.

Vicentim explica que é compreensível que uma nova gestão pretenda dar novos rumos ao banco, de acordo com as definições que acredita serem  necessárias, mas que não se deve utilizar dessas medidas para alterar o papel que a instituição pública tem desempenhado para o desenvolvimento  econômico e social do Brasil, sobretudo para os inúmeros trabalhadores que constroem a Caixa diariamente, país afora. "Permaneceremos mobilizados em defesa da Caixa, de seus milhares de empregados e de tudo o que ela representa para o povo brasileiro", conclui o presidente do Sindicato. 



Fonte: Seeb SP, com edição de Seeb Catanduva
MAIS NOTÍCIAS
« voltar 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 avançar »
TOPO