Banner
ARTIGOS
 16/12/2019

João Fukunaga e o ex-diretor eleito da Previ Francisco A. comentam alta no preço da carne

O Brasil é um dos principais produtores de carne do mundo, e sua produção está livre de endemias. Mas não “é suficiente a explicação de que a culpa é da China, que está comprando tudo que produzimos. Também não é razoável a explicação de sazonalidade. A componente que contribui pesadamente é a desvalorização do real em relação ao dólar.” Neste artigo, o diretor do Sindicato João Fukunaga e o ex-diretor eleito da Previ Francisco Alexandre comentam, em artigo, a alta no preço da carne. Leia abaixo:

Carne vira artigo de luxo      

Quando um bem é cotado a um preço que consideramos além do razoável é comum a expressão “está a preço de ouro”. Nesses dias ela cabe bem à carne bovina.

A carne mais consumida no mundo é a de porco, com 115 milhões de toneladas ano, seguida da de peixe, com 110 milhões, de frango (106 milhões) e muito distante, em quarto lugar, a carne bovina, com 62 milhões de toneladas ano. O Brasil é responsável por 20% da produção de carne de boi do mundo ou 12 milhões de toneladas. Somos o segundo em produção de carne de frango com 13% no mundo. Somos o quarto produtor mundial de suínos com 9%.

O Brasil tem posição privilegiada quando se avalia as endemias que varrem países produtores como a Peste Suína, que atinge países da Ásia, dizimando 35% do rebanho chinês. A Gripe Aviária também comum na Ásia, e que dizima frangos, ou o Mal da Vaca Louca, que ataca rebanhos bovinos, principalmente na Europa.

Das doenças que dizimam a produção, o Brasil é imune. O que garante à carne produzida aqui uma vantagem competitiva em relação a muitos países, além do crescimento sustentável das cadeias produtivas. Então, como entender que tenhamos a condição de produtores mundiais e falte carne para o consumo interno, ao ponto de o preço ir parar nas nuvens? Esta é a questão que se tenta justificar ao país.

Não é suficiente a explicação de que a culpa é da China, que está comprando tudo que produzimos. Também não é razoável a explicação de sazonalidade. A componente que contribui pesadamente é a desvalorização do real em relação ao dólar, fazendo os preços caírem para os compradores externos, isto porque o preço desses produtos tem suas cotações em dólar com variações em bolsas de mercadorias.

O preço da carne deve continuar lá em cima, fazendo o churrasco de final de ano ficar mais caro e, mais que isso, impedir que muitas pessoas possam comprar o produto, numa cadeia de encarecimento que levará ao frango e também à carne de porco. A exemplo do que acontece em cidades como Recife, onde o preço da costela bovina passou de R$ 12 para R$ 20 o quilograma, registrando aumento médio de 11,5% até o mês de novembro.

O reflexo do aumento de preço desses produtos é suficiente para discordar da afirmação do Ministro da Economia de que o dólar pode subir à vontade, pois não é bem assim, em qualquer país do mundo o ideal é a estabilidade da moeda.


Francisco Alexandre – Ex-diretor eleito de administração da Previ
João Fukunaga – Diretor Sindicato dos Bancários de São Paulo
MAIS ARTIGOS
« voltar 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 avançar »
TOPO